Como reduzir custos na licitação?

Como reduzir custos na licitação?

Um particular só pode se habilitar para prestar algum serviço para o poder público participando de um processo de concorrência com outras empresas, denominado licitação. Após a realização de todos os procedimentos de cadastro e regularização, a empresa estará apta a fornecer seus serviços à Administração Pública.

No entanto, é necessário que o contratante avalie o custo de participar do procedimento licitatório e compare com a contrapartida financeira que será recebida. Reduzir custos da licitação é fundamental, porque vários são os fatores que poderão gerar gastos à empresa.

Mas como pode ser feita essa redução de gastos de modo que não atrapalhe o contrato? É possível que a empresa faça uma análise de risco do contrato antes de celebrá-lo. Para descobrir como, continue a leitura!

Análise dos riscos para reduzir custos

Elencamos alguns passos que o contratante deve observar ao se deparar com um edital de licitação, de modo a colocar na balança os riscos de sucesso ou insucesso do procedimento licitatório.

Prazo para entrega dos bens ou serviços

A empresa licitante deve analisar se a entrega dos produtos será realizada no prazo correto. Muitos editais preveem um prazo muito curto para o fornecimento de materiais ou serviços. Isso pode inviabilizar a participação, pois o descumprimento do contrato pode gerar punições, como a proibição de contratar com o poder público.

Casos fortuitos e eventos de força maior

Imprevistos podem afetar o cumprimento do contrato e aumentar muito o valor do serviço ou afetá-lo totalmente. Secas ou alagamentos, por exemplo, podem comprometer toda a produção. É necessário analisar se, ainda que ocorra algum evento de força maior, será  possível cumprir o contrato. Nesse ponto também incluem-se os atrasos no pagamento, que podem acontecer por parte da Administração.

Custos diretos e indiretos

Os custos diretos e indiretos são os mais analisados pelos licitantes. Despesas com transporte, custos de entrega e armazenamento, dentre outros, devem ser analisados antes da formalização contratual.

Qualidade do produto oferecido

Será que o produto que a empresa tem condição de fornecer está dentro da qualidade exigida pelo contratante? Ou será que, para a adequação da qualidade exigida, a empresa deve se valer de gastos que não serão compensados? É inevitável essa verificação para reduzir custos.

Preço mínimo para a oferta

O preço mínimo oferecido pelo contratante cobre todos os gastos? É vital observar esse fator, porque, se os gastos não forem cobertos pelo valor recebido, o licitante terá prejuízo, e isso é o contrário do que se procura numa licitação, não é mesmo?

Conhecimento prévio do órgão com que se contrata

É imprescindível que o licitante conheça o órgão com que se contrata. Muitos órgãos abusam da burocracia na contratação, isso gera gastos também aos licitantes. Conhecer a realidade sobre o prazo para pagamento pelos serviços também é importante.

Cálculo e classificação dos riscos

Para o cálculo dos riscos, o licitante deve observar os itens descritos acima e avaliar se o empreendimento em que deseja ingressar é de alto, médio ou baixo risco. Dependendo das considerações na análise dos itens, o próprio licitante pode chegar a uma conclusão. Vejamos os desdobramentos de cada classificação:

  • alto risco — o licitante que chegar a essa conclusão não deve participar da licitação. A saída é procurar processos em que sua oferta será mais competitiva;
  • médio risco — aqui, o licitante, juntamente com sua equipe, avaliará se o risco vale a pena. É um empreendimento com chances de dar certo, mas também com possibilidade de dar errado;
  • baixo risco — esse tipo de avaliação dá ao contratante a plena certeza de que a licitação não é ruinosa e oferece pouquíssimos riscos. O que se aconselha nesse caso é tornar esse tipo de contratação uma fonte constante de lucros.

A análise de riscos é fundamental para uma empresa que tem a intenção de participar de procedimentos licitatórios. Tal pesquisa dará a tranquilidade para a empresa identificar se segue no edital ou toma outras medidas para reduzir custos.

Gostou das dicas? Então comente neste post e compartilhe suas impressões com a gente!

Compartilhe